No's oxido nitrico

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

No's oxido nitrico

Mensagem por SeuCuca em Sab 12 Fev - 16:21

Revista da Associação Médica Brasileira
Print version ISSN 0104-4230

Departamento de Gastroenterologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP.
UNITERMOS: Óxido Nítrico. Síntases. Metabolismo. Óxido Nítrico mensageiro.

INTRODUÇÃO

Vamos supor que após ler este artigo, você guarde na sua memória tardia uma parte do que leu. Provavelmente você estará utilizando para isto uma das menores e mais versáteis moléculas do seu organismo: o óxido nítrico (NO - Nitric Oxide). Esta pequena e simples molécula, talvez a menor produzida pelos mamíferos, tem efeitos fascinantes desde a manutenção inicial da vida, através do controle da circulação placentária, ou a indução do início da vida através da regulagem das contrações uterinas no trabalho de parto, como também efeitos letais demonstráveis, por exemplo, no choque séptico. O óxido nítrico é um importante neurotransmissor com capacidade potencializadora, atuando na memória e no aprendizado, podendo também ter ações endócrinas, autócrinas e parácrinas. A sua ação na imuno-regulação está presente na inflamação e nos mecanismos de autoimunidade. Esta molécula tem revolucionado e obrigado revisão de paradigmas da medicina, principalmente em neurologia, cardiologia, nefrologia e gastroenterologia.

Este artigo procura mostrar os mecanismos de síntese e formação do óxido nítrico apresentando a enzima envolvida - síntase do óxido nítrico (nitric oxide synthase - NOS) e os efeitos do NO como mensageiro nos principais sistemas do organismo.

O início

A evidência inicial de óxidos de nitrogênio no metabolismo vieram de experimentos que demonstraram produção de nitratos em camundongos germ-free no início da década de 801. Em 1985 demonstrou-se que macrófagos ativados por lipopossacárides bacterianos eram capazes de levar à produção de nitritos e nitratos2. Na seqüência evidenciou-se que a L-arginina era o substrato e a L-citrulina era formada como co-produto3. Em 1988, Marletta identificou o óxido nítrico como o produto da reação de oxiredução da L-arginina4.

Quase que simultaneamente, Furchgott investigava um fator vasodilatador associado ao endotélio vascular (endothelium-derived relaxing factor - EDRF5 e poucos anos mais tarde concluiu-se ser o NO responsável pela atividade biológica do EDRF6.

Durante o final da década de 80 e início de 90, a comunidade científica aprofundou pesquisas nesta direção, adicionando importantes conhecimentos sobre o NO como mensageiro (ou sinalizador inter e intracelular) e como toxina, atuando em inúmeros processos patológicos.

Características, síntese e metabolismo do NO

O óxido nítrico é uma molécula gasosa simples, habitualmente encontrada no ar atmosférico em pequenas quantidades, altamente tóxica devido à presença de radical livre (elétron extra) que a torna um agente químico altamente reativo. Quando diluído, o NO tem uma meia vida de menos de 10 segundos devido à sua rápida oxidação a nitrito e nitrato. O NO liga-se à hemoglobina e outras proteínas que contém o núcleo heme levando ao término de sua atividade biológica7.

A fig. 1 indica a clássica reação química de formação do NO, em que a L-arginina é transformada em um intermediário, a NG-hidroxi-L-arginina com a presença de nicotinamida-adenina-dinucleotídeo-fostato-hidrogênio (NADPH) e Ca2+ sendo necessário mais NADPH e O2 para a formação de L-citrulina e NO.



A L-arginina é um aminoácido semi-essencial produzido no organismo, porém em quantidade insuficiente para todas necessidades. Além do ciclo da uréia, a arginina é utilizada na síntese de creatinina e fornece ornitina para a síntese de poliaminas9. Como há uma solicitação metabólica continuada da L-arginina, existe uma neo-síntese da L-arginina nos túbulos proximais renais a partir da citrulina. Proteínas ingeridas são degradadas até arginina, que podem ser diretamente absorvidas e utilizadas no ciclo da uréia no tecido hepático, ou transformadas no epitélio intestinal em ornitina que, juntamente com a glutamina secretada como glutamato, são convertidas em citrulina. A citrulina absorvida se transforma em arginina no ciclo renal (fig. 2)9. A citrulina também pode ser convertida diretamente em L-arginina no citoplasma das células endoteliais e dos macrófagos.



A síntese enzimática de citrulina (Fig. 1), pode ser inibida por análogos da L-arginina tais como NG-monometil-L-arginina (L-NMMA), NG-nitro-L-arginina (L-NNA) e NG-nitro-L-arginina-metil-éster (L-NAME)7,8. Estes inibidores têm grande importância na pesquisa dos prováveis efeitos do NO nos tecidos, uma vez que a substituição do substrato habitual (L-arginina) pelos análogos irá inibir a produção de NO e seus efeitos conseqüentes. Vale salientar que a D-arginina não substitui a L-arginina nesta reação para formação do NO.

A demonstração da produção de NO é ainda difícil, sendo sempre feita de maneira indireta. Aliás, todas pesquisas pioneiras não demonstraram o NO propriamente dito devido sua evanescência, considerando-se a concentração de nitrito e nitrato como prova de sua produção. Outro método de demonstrar o NO, como já citado, é a substituição do substrato por um análogo (L-NNA ou L-NMMA ou L-NAME) sendo a ausência do efeito pesquisado imputado pela não formação de NO devido ao bloqueio da reação da L-arginina à L-citrulina.

As isoenzimas da sintase do NO

Muitas células são capazes de sintetizar o NO através de hemeproteínas da família citocromo P450-like, chamadas de NO síntases (NOS). As NOS são dependentes de O2, NADPH, flavinas e biopterinas para exercer sua atividade. Até o momento, foram isoladas e clonadas três isoenzimas, sendo duas constitutivas em determinadas células e uma induzível, recebendo as siglas respectivas de cNOS e iNOS. Todas as três isoenzimas são semelhantes estruturalmente, porém reguladas de modo diverso e induzidas a partir de genes localizados nos cromossomos 7 (isoforma I), 12 (isoforma II) e 17 (isoforma III)31.

A cNOS ou Isoforma I está presente no cérebro e foi purificada inicialmente no cerebelo do camundongo e do porco10. Na literatura esta enzima pode ser chamada também de bNOS (brain NO synthase) ou nNOS (neuronal NO synthase). Esta proteína, atualmente clonada de cérebros humanos, mantém uma seqüência de aminoácidos altamente conservada entre as espécies, ocorrendo 93% de identidade entre a cNOS de humanos e camundongos9.

A iNOS ou Isoforma II não é expressa constitutivamente, ou seja, não está presente de modo habitual, sendo induzida nos macrófagos e outras células por lipopolisacárides bacterianos e/ou citoquinas11. Esta isoenzima também pode ser chamada de macNOS (macrophage NO synthase). Vários grupos clonaram a iNOS também em músculo liso45, hepatócitos de camundongo11 e em hepatócitos humanos12. Vários autores consideram que qualquer célula do organismo tem a capacidade de produzir iNOS sob estímulos apropriados. Uma vez induzida, a iNOS é capaz de produzir NO por longo tempo, e isso vem a caracterizar seu envolvimento em vários processos patológicos. Assim, o alto nível de NO produzido por macrófagos ou por neutrófilos ou outras células ativadas, que deveria ser tóxico para micróbios, parasitas ou células tumorais, pode também lesar células saudáveis vizinhas, sendo este mecanismo responsável pela maioria de processos inflamatórios e autoimunes.

A eNOS ou Isoforma III é expressa constitutivamente nas células endoteliais podendo também ser chamada cNOS ou EC-NOS (endothelial constitutive NO synthase). O código genético responsável pela isoforma III foi clonado a partir de células endoteliais de bovinos e humanos13, confirmando o local preferencial de produção e ação.

As isoenzimas NOS podem ser, sob ponto de vista prático, caracterizadas como de baixo ou alto débito conforme a duração da atividade da NOS. As isoformas I e III (cNOS e eNOS) são de baixo débito, estando envolvidas em processos homeostáticos como neurotransmissão, peristaltismo, controle imediato da pressão arterial14. Considera-se a eNOS de menor débito do que cNOS. Já a isoenzima II ou iNOS, quando estimulada permanece em atividade por horas com mecanismo de sinergismo de indução inclusive do próprio NO produzido12. Esta ação lhe confere uma importante característica podendo levar à morte da célula15.

Outra classificação das NOS é determinada pela sua dependência de cálcio para ativação. O Ca2+ é um importante sinalizador citoplasmático, atuando a partir de ligações com proteínas intracelulares receptoras específicas. Uma destas proteínas citoplasmáticas (Ca2+-receptoras) é a calmodulina, encontrada em praticamente todas células. Quando o Ca2+ se liga à calmodulina forma-se o complexo Ca2+/calmodulina, este, um elemento regulatório de algumas atividades enzimáticas intracelulares. Quando a concentração intracelular de Ca2+ cai, desfaz-se o complexo Ca2+/calmodulina e a atividade enzimática é desativada. Este mecanismo Ca2+/calmodulina é responsável pela ativação da NOS.

No caso da cNOS, segue-se o mecanismo descrito, ou seja, é necessária determinada concentração de Ca2+ intracelular para atividade enzimática, ocorrendo inativação da cNOS com queda do Ca2+ citoplasmático abaixo de determinado nível. Para a iNOS, o mecanismo de ação depende da concentração intracelular de Ca2+ somente para ativação, sendo que a queda do Ca2+ intracelular não inibe a atividade da iNOS (Fig. 3). Assim, classificam-se as NOS como cálcio-dependentes (que são as isoformas I e III) e cálcio-independentes (isoforma II)20.



A Tabela 1 sumariza as abreviaturas, sinonímia e diferenças quanto ao débito e dependência de Ca2+ das síntases do NO.



Estes conhecimentos quanto à classificação e modo de ação das três NOS são importantes para entender os demais mecanismos envolvidos na ação do NO.

Aspectos fisiológicos e tóxicos do NO

As funções do NO até hoje descobertas são complexas e antagônicas. Um aspecto marcante desta molécula é a sua capacidade de ser benéfica ou potencialmente tóxica conforme a concentração ou depuração tecidual. Alguns autores, como Schmidt16, denominam muito apropriadamente o NO como uma "faca de dois gumes" (double-edged sword).

O NO é um importante mensageiro intercelular nos mamíferos superiores. O mecanismo de sinalização intercelular é, em geral, realizado através de receptores de membrana celular na célula alvo; estes receptores são, habitualmente, transmembranosos tendo contato com citoplasma e desencadeando uma "cascata" de sinais intracelulares que finalizarão em uma mudança na célula. Pelas suas características químicas de alta difusibilidade, a sinalização do NO é exercida diretamente em nível intracelular, sem receptores transmembranosos. Devido à sua penetração intracelular sem intermediários membranosos, o organismo utiliza o NO em funções fisiológicas em que é necessária uma resposta rápida.

O NO também faz parte do arsenal de primeira defesa do organismo com poder microbicida. Assim, está demonstrado sua ação antibactericida, antiparasítica e antiviral40- 44. Nestes casos, o NO atua em concentrações maiores do que as de mensageiro, sendo tóxico aos microorganismos invasores. Existe um tênue limite de concentração tissular entre a não-toxicidade às células do hospedeiro e a toxicidade necessária para ação antimicrobicida. No caso de doenças autoimunes e situações de sobrecarga exageradas do organismo, o NO encontra-se em concentrações tóxicas para as células do organismo. Portanto, o NO atua como toxina conforme a concentração e o tecido em questão, devendo ainda ser considerada a capacidade de depuração tecidual. A determinação destas concentrações tissulares relativas permanece um segredo da natureza.

A Tabela 2 resume algumas ações teciduais do NO como mensageiro ou toxina.

Neste artigo, nos restringiremos mais a alguns efeitos do NO como mensageiro nos mais importantes sistemas do organismo, devido à amplitude e complexidade do tema.

NO-mensageiro no sistema cardiovascular

Devido aos estudos pioneiros do EDRF por Furchgott, a ação vasoprotetora do NO é bem conhecida. O NO antagoniza as contrações da musculatura lisa vascular e inibe a ativação plaquetária. Atuando nas integrinas, o NO modifica a adesividade leucocitária e a diapedese dos neutrófilos5.

No endotélio vascular ocorre liberação continuada de NO, responsável pela manutenção do fluxo sangüíneo tecidual e controle do extravasamento tecidual. O NO-mensageiro produzido no endotélio tem função vasodilatadora fisiológica. Assim, durante exercício físico ocorre aumento do débito cardíaco e redistribuição do fluxo sangüíneo para musculatura esquelética e circulação coronariana. Este mecanismo é mediado pela cNOS (eNOS ou isoforma III) cuja expressão genética pode ser potencializada com exercícios aeróbios regulares24. Entretanto, a função principal do NO é a exercida no controle de adesão dos elementos sangüíneos (leucócitos e plaquetas) ao endotélio18. Por este mesmo mecanismo, o NO diminui a permeabilidade vascular. Em estudos com inibição da síntese de NO vascular utilizando-se o análogo L-NAME em intestino de gatos, observa-se aumento da permeabilidade microvascular às proteínas, mediadas por leucócitos e outras células inflamatórias (macrófagos, mastócitos, plaquetas, etc.)19.

No miocárdio existe também expressão da isoforma III ou eNOS, determinada por estudos de imunohistoquímica e técnicas de biologia molecular. A eNOS é encontrada nos miócitos, células endoteliais e músculo liso vascular sendo a nNOS achada nos neurônios. O NO-mensageiro atua como inotrópico negativo levando a aumento da dilatação diastólica, sem influenciar os índices de contractilidade miocárdica25.

Já a isoforma II ou iNOS pode ser produzida pelas mesmas células sob estímulos como, por exemplo, sepse, miocardite, rejeição de transplante. Quando ocorre aumento do NO em níveis elevados, o NO-toxina induz à disfunção cardíaca característica da síndrome de resposta inflamatória sistêmica (Systemic Inflamatory Response Syndrome - SIRS)26.

NO-mensageiro no sistema bronco-pulmonar

Em culturas de células alveolares pulmonares epithelium-like, Asano et al. demonstraram atividade basal de NOS constatada como isoforma I ou nNOS, não se constatando eNOS ou isoforma III. Sob estímulo de interferon-gama (IFN-g) isolado ou juntamente com interleucina-1b (IL-1b) mais fator de necrose tumoral- (TNF-a), observou-se produção de RNA-mensageiro da isoforma II ou iNOS21.

Considera-se o NO-mensageiro produzido a partir da cNOS como responsável pela homeostase das vias aéreas. O NO mantém o calibre brônquico e regula a freqüência dos movimentos ciliares; na circulação pulmonar, o NO equilibra a relação ventilação-perfusão.

A iNOS epitelial bronquial é responsável pela defesa imunológica a agentes externos inalados, principalmente pelo recrutamento de macrófagos epiteliais e subepiteliais22. Isto é configurado pela queda da resistência às infecções broncopulmonares com administração de análogos da L-arginina in vitro e in vivo3.

NO-mensageiro no sistema renal

O NO-mensageiro é sintetizado nos rins fisiologicamente, exercendo importantes funções de homeostase no fluxo sangüíneo e excreção renal. O bloqueio experimental da produção do NO-mensageiro leva à diminuição da irrigação renal e queda da eliminação de sódio27.

Nos rins foram isoladas as três isoformas da NOS. Na mácula densa constatou-se forte presença da isoforma I ou nNOS e nas arteríolas glomerulares foram encontradas as isoformas I e III (nNOS e eNOS) nos ramos aferentes e eferentes, com maior concentração nas arteríolas eferentes.

A presença da isoforma I é importante nos vasos aferentes pré-glomerulares pela estreita correlação com liberação de renina28. A ação do NO-mensageiro sobre a secreção do sistema renina-angiotensina tem óbvias implicações terapêuticas, porém os achados ainda são discrepantes.

Em um estudo com infusão de análogo da L-arginina (L-NMMA) em voluntários sadios, observou-se aumento da pressão arterial média (+7%) com aumento da resistência periférica (+36%) sem aumento do fluxo sangüíneo renal, porém com aumento da resistência vascular renal (+21%) seguido de queda da filtração glomerular (-19%), queda do fluxo urinário (-18%) e da eliminação de sódio (-25%), sem aumento da atividade plasmática da renina29. Outro estudo semelhante, porém em cães, em que foi utilizado a L-NAME juntamente com bloqueio da mácula densa pelo modelo de rim não-filtrante, mostrou que o bloqueio intrarenal de NO aumenta a secreção de renina em nível renal, ocorrendo elevação plasmática somente no rim com bloqueio simultâneo da mácula densa30. Portanto, à medida que as pesquisas avançam, surgem fortes indícios que o NO está envolvido no mecanismo da hipertensão arterial.

Na glomerulonefrite observa-se produção exagerada do NO que é devido à indução da iNOS, expressa a partir de macrófagos nos glomérulos27 com infiltração leucocitária e aumento da permeabilidade vascular com conseqüente proteinúria.

NO-mensageiro no sistema nervoso

O NO é um poderoso vasodilatador cerebral mantendo o fluxo cerebral basal e levando a aumento do fluxo sangüíneo sob atividade neuronal intensa32. A isoforma I ou nNOS foi historicamente purificada em cérebros de camundongo e porco10, como já citado. Porém, também a eNOS e a iNOS estão presentes e são importantes nas funções fisiológicas e estão envolvidas em várias patologias do SNC.

A nNOS e eNOS podem intercambiar funções, como demonstrado em estudos de camundongos modificados geneticamente com ausência da nNOS, em que se observou manutenção da função neurológica às custas da eNOS33.

O NO-mensageiro é considerado um neurotransmissor. Devido as suas características de alta difusibilidade, como já citado, o NO é capaz de penetrar no citoplasma celular diretamente, sem necessidade de receptores de membrana, levando a respostas rápidas e precisas .

O hipocampo é uma das áreas de pesquisa mais promissoras da ação do NO no SNC. Sabe-se que, quando o hipocampo é destruído em ambos hemisférios cerebrais, em mamíferos, os mesmos perdem a capacidade de reter memórias novas. Entre os múltiplos neurotransmissores excitatórios do SNC, destaca-se o glutamato. Entre os receptores de glutamato existem os receptores de N-metil-D-aspartato (NMDA) - pertencentes à subclasse de glutamato. Estes receptores recebem o nome de NMDA devido ao fato de serem estimulados seletivamente pelo N-metil-D-aspartato, que é um análogo do glutamato. Além dos receptores NMDA estarem preferencialmente situados no hipocampo, animais com bloqueio específico dos receptores NMDA perdem a capacidade de aprendizado.

Nos receptores NMDA um estímulo pode levar à própria potencialização. Este mecanismo é conhecido como Long-Term Potentiation (LTP), consistindo de um sistema progressivo e prolongado do estímulo, mesmo com estímulo inicial em condições submáximas. O envolvimento do NO-mensageiro no mecanismo da LTP foi primeiramente demonstrado por Böhme, em um experimento com camundongos, em que o bloqueio de formação de NO levou à ausência de condicionamento e de resposta olfatória34,35.

Em nível de sinapse neuronal, após estímulo do neurônio à montante, ocorre liberação de glutamato que vai se ligar aos receptores NMDA. Enquanto persistir esta união (glutamato/receptor NMDA), o Ca2+ é capaz de entrar no citoplasma do neurônio à jusante levando à produção da nNOS. Assim, o NO é liberado na pós-sinapse após estímulo pré-sináptico submáximo, funcionando como mensageiro retrógrado para a pré-sinapse e reiniciando todo o processo (Fig. 4).



Os receptores NMDA estão envolvidos na memória tardia cuja indução pelo mecanismo da LTP culmina com alterações de proteínas celulares à jusante, resultando em aquisição de experiências e conhecimentos16. Esta linha de pesquisa é intensa devido às implicações na dificuldade de aprendizado em crianças e falhas de memória em adultos. Também existe esperança de melhor conhecimento da fisiopatologia da doença de Alzheimer.

O eqüivalente dos macrófragos no cérebro são as células microgliais. As células gliais em cultura mostram capacidade de indução da iNOS, mais fortemente presente quando há o estímulo tríplice de IFN-g, IL-1b e LPS bacteriano38. Existem fortes evidências que a iNOS pode estar envolvida, além dos processos bacterianos e virais, em processos neurodegenerativos e outras condições que levam à liberação de citoquinas no cérebro tais como traumas e isquemias39.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS VCS ENCONTRAM NO SITE,NÃO POSTEI AQUI PQ É CHEIO
DE LINKS ALIADO AS BIBLIOGRAFIAS:
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci...302000000300012



EDIT: adicionado imagens

_______________________________________________________________________________________________________________________________________________
SeuCuca - TF Moderador #11

• Equipe Musculação Brasil
Tudo que você deseja saber sobre musculação em um único lugar!

SeuCuca
Moderador

Mensagens : 558
Data de inscrição : 10/02/2011
Idade : 23
Localização : Curitiba-PR

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: No's oxido nitrico

Mensagem por pablosm em Ter 15 Fev - 9:26

O que é Óxido Nítrico (NO2) ?

Suplementos geradores de Óxido Nítrico (NO2), foi inventado pelo mesmo cientista que introduziu a Creatina no mercado em 1993 - Ed Byrd, co-fundador de EAS™ e agora o presidente de MRI™ (Medical Research Institute).

Com o Óxido Nítrico, (NO2), criou-se uma nova e revolucionária categoria de construtores de músculos conhecida como HEMODILATADORES.

Óxido Nítrico (No2) atua no músculo como molécula sinalizadora responsável pelo fluxo de sangue (hemodilatação), transporte de oxigênio, equilíbrio da glicose, velocidade de contração muscular, produção de energia e crescimento do músculo.

Gerando e dando sustentação aos níveis de óxido nítrico (No2) no organismo você poderá obter benefícios duradouros para o incremento muscular, este benefícios incluem: aumento dos indicadores de crescimento-muscular para obter ganhos mais rápidos de massa magra, aumento da velocidade de contração da fibra muscular gerando maior força, completa recuperação muscular após exercício e aumento do Índice de Resistência (EI) física.

Além disso, o óxido nítrico (No2) contido nos suplementos de hoje provê uma hemodilatação sustentável (forte e contínuo bombeamento sanguíneo para os músculos) onde seus músculos ficam mais cheios e "bombeados permanentemente", mesmo após o término do treino.

Antes da introdução dos suplementos geradores de óxido nítrico (No2), a hemodilatação só acontecia durante a sessão de musculação intensa e que permanecia por um tempo relativamente breve, quando você pára de treinar, o músculo fica "frio" e diminui de tamanho. Agora, com as pesquisas e formulações de hoje, é possível obter a hemodilatação durante o dia todo! Isso significa maiores resultados e ganhos mais rápidos para você. E é claro, um "bombeado permanente". A sensação é como se você ficasse com o "músculo quente" o dia todo, mesmo muito tempo depois de ter terminado o treinamento.

A L-Arginina é precursora na gênese do Óxido Nítrico (No2). O No2 é uma molécula que apresenta múltiplas funções no organismo. Dentre estas funções, temos a estimulação da resposta imunológica mediada por linfócitos e macrófagos; a redução da hiperagregabilidade plaquetária e a manutenção do tônus vascular na regulação da pressão arterial que envolve um equilíbrio dinâmico entre o Óxido Nítrico (No2) e as endotelinas. O Óxido Nítrico (No2), produzido nas células endoteliais a partir da L-Arginina, determina uma vasodilatação.

A L-Arginina aumenta a liberação do hormônio do crescimento que se encontra diminuída em indivíduos idosos. Existem evidências, também, demonstrando a ação benéfica da L-Arginina nos processos de cicatrização. A L-Arginina age como defatigante e nos diversos tipos de astenia. Age também como coadjuvante no tratamento dos processos infecciosos em geral, inclusive nos causados pelo estresse. A L-Arginina reforça, ainda, a capacidade muscular.

Por outro lado, o óxido nítrico (No2) está envolvido diretamente no controle e manutenção da ereção do pênis, e por isso ele é a substância chave dos medicamentos utilizados para isso, como o VIAGRA, CIALIS e LEVITRA.

Por que eu deveria usar Óxido Nítrico (NO2) ?
Até a criação de uma tecnologia para a liberação gradual de óxido nítrico (No2) no organismo, gerar e manter os níveis de óxido nítrico (No2) eram praticamente impossíveis. O pH do corpo humano literalmente dissolve qualquer agente ou substância que poderia ajudar a gerar óxido nítrico (no2) no organismo. Agora, com o pH controlado através dos modernos sistemas de administração encontrados nos novos suplementos de hoje, o organismo não só aceita os agentes que liberam óxido nítrico (no2), mas também pode manter altos os níveis de óxido nítrico (no2) nos músculos ao longo do dia todo.

Hemodilatação

Finalmente, todos os atletas e bodybuilders podem agora obter os fortes benefícios da hemodilatação durante o dia todo! Ganhos mais rápidos de massa muscular, aumento de força e resistência e um "bombeado permanente".

Hemodilatação significa alargar o calibre dos vasos sanguíneos dos músculos. Dessa forma, quando os vasos sanguíneos relaxam, eles se expandem, permitindo que uma taxa maior de sangue entre nos músculos. Com um maior fluxo sangüíneo, uma maior quantidade de oxigênio e nutrientes flui para os músculos.

A hemodilatação é iniciada através da síntese de óxido nítrico (no2). Óxido Nítrico (No2) é a molécula responsável pelo fluxo sanguíneo, pelo transporte do oxigênio, por manter os níveis de glicose (açúcar) no sangue, pela velocidade da contração muscular e pela produção de força e crescimento de músculo. Mantendo os níveis ótimos de de óxido nítrico (no2) no músculo você gera uma hemodilatação permanente.



Figura 1 - Demonstração da dilatação sanguínea e volumização muscular. Figura 2 - Demonstra como o NOXI2 induz a maior vascularização. Isso permite maior aporte de nutrientes no músculo. Isso significa que você terá mais energia e recuperação mais rápida.

Bombeado Permanente

"Bombeado permanente" é aquela volumização muscular que acontece no momento que você está malhando e que, com o uso de NO, permanece mesmo após terminado a sua sessão de exercício, você fica sempre com o "músculo quente" virtualmente durante o dia todo! O músculo mais cheio e mais bombeado alcançado pelo exercício não enfraquecem com tempo.

O "bombeado permanente" é um fenômeno novo. É o efeito marcante da hemodilatação contínua que você adquire com o óxido nítrico (no2). Podemos dizer que os resultados físicos e psicológicos desse efeito são extraordinários para todo e qualquer atleta.

O aumento de fluxo sanguíneo é causa principal desse "bombeado". Seu corpo responde para se exercitar lançando mais óxido nítrico (no2) na corrente sanguínea, pois o óxido nítrico (no2) é a molécula sinalizadora e responsável pelo aumento do fluxo de sangue para o músculo.

Quando você treina pesadamente, o óxido nítrico (no2) abre as comportas de sangue, permitindo uma maior circulação sanguínea. Isto é hemodilatação e é por isso que você fica com aquele "bombeado". Mas o "bombeado" induzido pelo exercício é temporário e desaparece logo em seguida quando o corpo percebe que o exercício terminou.

Agora, com o Óxido Nítrico (no2), o "bombeado" que você adquire não vai mais desaparecer. Agora seus músculos vão ficar cheios, bombeados e vascularizados e não vão mais mostrar sinais que irão desaparecer. Isso porque o óxido nítrico (NO2) gera uma onda contínua de sangue para os músculos durante o dia todo. Assim os músculos permanecem "quentes" e cheios o dia todo!

Contração Muscular

O Óxido Nítrico (NO2) também age como um acelerador da contração da fibra muscular. Aceleradores são agentes ou substâncias que tem a capacidade de aumentar a velocidade contração da fibra muscular.

Aumentando produção de óxido nítrico (NO2), você pode aumentar ao máximo a velocidade de contração de todos os tipos de músculos: fibras de contração rápida se tornam mais rápida e as fibras de contração lenta levam um tempo menor para entrar em ação.

Os resultados são imediatos e notáveis: incremento da sua capacidade de carga nos exercícios, mais força e mais contração muscular.

Índice de Resistência (EI)

O Índice de Resistência (EI) é uma nova forma de medir o aumento da resistência física durante uma atividade.

Os estudos atuais indicam que os ácidos-keto, como o que existe no Óxido Nítrico (NO2), pode ajudar significativamente a postergar o cansaço e melhorar sensivelmente seu Índice de Resistência (EI).

De fato, muitos atletas estão relatando que após tomar Óxido Nítrico (No2) eles estão sentindo a mesma sensação/resistência de quando correm em altitudes ao nível do mar, mesmo competindo em altitude altas.

Resumindo, usando Óxido Nítrico (NO2) você provê os seguintes benefícios, tanto para musculação e quanto para atletismos:

Ganhos contínuos de massa magra pela ação do crescimento forçado;
Um "bombeado permanente" através do forte efeito da hemodilatação;
Maior velocidade nas contrações musculares;
Rápida e completa recuperação muscular após treinamento;
Treinamentos mais longos pela melhora do seu Índice de Resistência (EI).

Que Resultados eu posso esperar com o Óxido Nítrico (NO2)?
O primeiro resultado que a maioria dos bodybuilders nota (em 5-7 dias) é o "bombeado permanente".

O "bombeado permanente" é uma volumização do músculo que literalmente não desaparece. Ao contrário da volumização induzida pelo exercício que rapidamente desaparece, o "bombeado permanente' é virtualmente perpétuo.

Depois de 2-3 dias do aparecimento do "bobeado permanente", você começará a notar aumentos de força e resistência. Ao mesmo tempo, você verá aumentos no volume de todos os seus músculos.

Posso comparar a "Hemodilatação" do NO2 com a "Volumização Celular" da Creatina ?
Uma vez que foi Ed Byrd que introduziu a Creatina no mercado e foi também o primeiro a lançar um suplemento NO, ele tem como explicar melhor isto...

"Como você provavelmente sabe, a Creatina causa 'volumização celular´ puxando água para dentro da célula do músculo. Dessa forma, aumenta o tamanho, mas você pode parecer um pouco 'inchado'. Hemodilatadores à base de estimuladores de NO, por outro lado, criam um tamanho real, forçando mais sangue para os espaços vastos e volumosos entre as células do músculo – e não dentro das célula. Este super-alagamento sanguíneo cria um bombeado permanente. O que é mais importante é que o sangue fica entre as células do músculo e não dentro delas, o músculo fica cheio, duro e bombeado – não inchado".

E com o sistema de liberação gradual (timed-release) dos novos suplementos de hoje, o bombeado não desaparece. Você adquire o que é conhecido como "bombeado permanente".

"Francamente,", diz Byrd, "minha recomendação para bodybuilders seria tomar Creatina e NO juntos. Eu penso assim, pois comecei com Creatina e aperfeiçoei com o NO".

Que dose de Óxido Nítrico (NO2) deverei tomar?
Por enquanto não há nenhum guia definitivo de quanto NO deverá ser tomado, as empresas de suplementos recomendam algo em torno de 3-9 gramas de NO diariamente, preferencialmente antes e depois de treinar.

Que efeitos colaterais são causados pelo Óxido Nítrico (NO2) ?
Até agora, nenhum efeito colateral conhecido foi atribuído ao uso de Óxido Nítrico (NO2). Óxido Nítrico (No2) é um nutriente natural produzido pelo nosso corpo e é acreditado ser seguro.

Devo ciclar o uso de Óxido Nítrico (NO2)?
Não há nenhuma evidência que possa sugerir que ciclando NO seja mais vantajoso. Porém, alguns atletas experimentaram vários "esquemas" de ciclos para adquirir mais benefícios com a suplementação de NO. Estes incluem um período prolongado de uso, de 4-6 semanas, seguida de uma fase de descanso e depois repete o ciclo. Como é o caso com toda suplementação, o bom senso é a chave do sucesso. Conhecer seu corpo e seus limites é tão decisivo para a própria suplementação como é para o próprio treinamento.



Retirado de: http://www.vitabrasilnet.com.br/oxido_nitrico.htm

_______________________________________________________________________________________________________________________________________________
pablosm - TF Moderador #03

• Equipe Musculação Brasil
Tudo que você deseja saber sobre musculação em um único lugar!

pablosm
Moderador

Mensagens : 426
Data de inscrição : 11/02/2011
Localização : Rio de Janeiro

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: No's oxido nitrico

Mensagem por pablosm em Ter 15 Fev - 9:31

Óxido nítrico

O óxido nítrico (também conhecido por monóxido de nitrogênio e monóxido de azoto), de fórmula química NO, é um gás solúvel, altamente lipofílico sintetizado pelas células endoteliais, macrófagos e certo grupo de neurônios do cérebro. É um importante sinalizador intracelular e extracelular, e actua induzindo a guanil ciclase, que produz guanosina monofosfato cíclico (GMP) que tem entre outros efeitos o relaxamento do músculo liso o que provoca, como acções biológicas, a vaso e a broncodilatação.

Origem biológica

A síntese de NO se realiza por ação de uma enzima, a óxido nítrico sintetase (NOS) a partir do aminoácido L-arginina que produz NO e L-citrulina, necessitando da presença de dois cofatores, o oxigénio e o fosfato dinucleótido adenina nicotinamida (NADPH).
O NO é produzido por uma ampla variedade de tipos celulares que incluem células epiteliais, nervosas, endoteliais e inflamatórias. Existem três formas de NOS, 2 denominadas constituitivas e dependentes do cálcio (cNOS), que são a endotelial e a neuronal, as quais sintetizam NO em condições normais, e a independente do cálcio (iNOS), que não se expressa ou fá-lo em muita pouca quantidade em condições fisiológicas.


Produção e efeitos ambientais

A altas temperaturas o azoto molecular e o oxigênio podem combinar-se para formar óxido nítrico (por exemplo, no antigo processo de produção do ácido nítrico por Birkeland-Eyde). A maior produção natural é no relâmpago. A atividade humana aumentou drasticamente a produção de óxido nítrico em câmaras de combustão. Uma proposta de conversores catalíticos nos automóveis reverte parcialmente esta reação.
O óxido nítrico no ar pode converter-se mais tarde em ácido nítrico, um dos implicados nas chuvas ácidas, ou reagir formando ozônio nas metrópoles poluídas smog fotoquímico

Aplicações Técnicas

É um intermediário no Processo Ostwald, que converte a amónia em ácido nítrico, através da passagem de amônia e ar em telas catalíticas de Platina (95%) /Rhódio (5%). A típica conversão química é de 99-90% por campanha de tela, com a formação de nitrogênio e óxido nitroso como reação secundária.
O óxido nítico poder ser usado para detectar radicais de superfície em polímeros. Bombardear a superfície do polímero com óxido nítrico resulta na incorporação do nitrogénio que pode ser quantificado por espectrocopia fotoelectrónica por Raios-X.
O óxido nítrico é incolor. Contudo, sua liberação na atmosfera é notada pela cor castanha. Em presença do oxigênio do ar, oxida-se rapidamente a dióxido de nitrogênio que dimeriza-se ao gás castanho tetróxido de nitrogênio, (N2O4).
Apesar da sua toxicidade, com efeitos semelhantes ao monóxido de carbono, dado o efeito da liberação na atmosfera, a experiência industrial tem demonstrado que é o NO2/N2O4 formado no ar, corrosivo, que provoca os danos da exposição (principalmente ataque ácido na mucosa do pulmão pela formação de ácido nítrico). Os primeiros sintomas da exposição leve é uma ligeira dor de garganta, 12 a 24h após a exposição.


Funções biológicas

Ver também: Factor relaxante derivado do Endotélio (EDRF) e Transdução de Sinal
No organismo, o óxido nítrico e sintetizado a partir da arginina e do oxigénio, pela enzima sintase do óxido nítrico (NOS).
O endotélio (a fina camada de células mais interna dos vasos sanguíneos) usa o óxido nítrico para comandar o relaxamento do músculo liso da parede do vaso, fazendo com que este dilate aumentando assim o fluxo sanguíneo e diminuindo a pressão arterial. Isto explica o uso da nitroglicerina, nitrito de amila e outros derivados no tratamento da doença coronária: estes compostos são convertidos em óxido nítrico (por um processo não muito bem conhecido) que por sua vez dilata as artérias coronárias (vasos sanguíneos na parede do coração) aumentando assim a sua irrigação. O óxido nítrico também desempenha um papel importante na erecção do pénis, e explica o mecanismo do sildenafil ou Viagra, que envolve o mecanismo referido acima com o guanil ciclico (GMP).
Os macrófagos, células do sistema imunitário, produzem óxido nítrico como composto nocivo para bactérias, devido à sua capacidade de formar espécies reactivas de azoto. Mas em certas circunstâncias isto pode trazer efeitos colaterais indesejáveis: uma sepsis generalizada pode levar a uma produção exagerada de óxido nítrico pelos macrófagos, que leva a uma vasodilatação generalizada podendo ser uma das causas da hipotensão (pressão arterial baixa) na sepsis.
O óxido nítrico tem também funções de neurotransmissor entre as células nervosas. Ao contrário dos outros neurotransmissores que funcionam geralmente no sentido da membrana pré-sináptica para a membrama pós-sináptica, o óxido nítrico (NO), por ser uma gás muito solúvel, pode actuar em todas as células adjacentes paracrinamente e autocrinamente, sem ser preciso estar envolvida uma sinapse física. Esta propriedade pensa-se que poderá estar envolvida na formação da memória.
A descoberta das funções do NO na década de 1980 vieram surpreender e mexer com a comunidade científica. Foi nomeada "Molécula do Ano" em 1992 pela Science, foi fundada a Nitric Oxide Society e foi criada uma revista científica só para estudos relacionados com esta molécula. O Prémio Nobel em Fisiologia e Medicina em 1998 foi atribuído a Ferid Murad, a Robert F. Furchgott e a Louis Ignarro pela descoberta das propriedades sinalizadoras do óxido nítrico. Estima-se que cerca de 3,000 artigos científicos são publicados por ano sobre o papel fisiológico do óxido nítrico.


Retirado de: http://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%93xido_n%C3%ADtrico

_______________________________________________________________________________________________________________________________________________
pablosm - TF Moderador #03

• Equipe Musculação Brasil
Tudo que você deseja saber sobre musculação em um único lugar!

pablosm
Moderador

Mensagens : 426
Data de inscrição : 11/02/2011
Localização : Rio de Janeiro

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: No's oxido nitrico

Mensagem por pablosm em Ter 15 Fev - 9:35

2 ARTIGOS CIENTÍFICOS DE SUMA IMPORTÂNCIA:

Revisão sobre óxido nítrico: http://www.scielo.br/pdf/jbpml/v39n4/18548.pdf


OXIDO NITRICO – Aplicações Clinicas: http://www.uninet.edu/cimc99/seminarios/moreira/nitrico.html

_______________________________________________________________________________________________________________________________________________
pablosm - TF Moderador #03

• Equipe Musculação Brasil
Tudo que você deseja saber sobre musculação em um único lugar!

pablosm
Moderador

Mensagens : 426
Data de inscrição : 11/02/2011
Localização : Rio de Janeiro

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: No's oxido nitrico

Mensagem por Ligabo em Dom 6 Mar - 21:40

Texto mt grande. Pode se resumir pela metade juntamente com as melhores informações. Ótimo material de pesquisa e estudo apenas.


Ligabo

Mensagens : 30
Data de inscrição : 24/02/2011
Idade : 32
Localização : Barra Mansa

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: No's oxido nitrico

Mensagem por Conteúdo patrocinado Hoje à(s) 0:53


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum