Benefícios proporcionados pela musculação para populações especiais

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Benefícios proporcionados pela musculação para populações especiais

Mensagem por Sulplemento em Ter 19 Jul - 23:21

Benefícios proporcionados pela musculação para populações especiais
A musculação para populações especiais é aquela que objetiva auxiliar no tratamento de doenças humanas em relação aos aspectos profiláticos e terapêuticos, melhorando assim a qualidade de vida das pessoas submetidas a esta prática física. No presente estudo, iremos analisar os benefícios proporcionados pela musculação nas seguintes populações: pessoas com aterosclerose, hipertensão arterial, obesidade, diabetes mellitus e osteoporose.
Musculação e aterosclerose
Segundo Guyton (1988) a aterosclerose é definida como sendo uma doença degenerativa das artérias que tem como causa principal o desenvolvimento de depósitos gordurosos e fibróticos nas paredes arteriais. O componente prejudicial ao organismo e causador primário desta doença é o colesterol advindo das lipoproteínas de baixa densidade (LDL) que estão circulando na corrente sangüínea. Estas lipoproteínas são derivadas principalmente da digestão e absorção de gorduras saturadas ingeridas na alimentação. Segundo Santarém (2000 b) acredita-se que a prática da musculação seja capaz de estimular a diminuição dos níveis de LDL sangüíneo ao mesmo tempo que estimula também a produção de lipoproteínas de alta densidade (HDL), que retiram o colesterol do sangue evitando o seu depósito nas artérias (Mion Jr., 1994). Neste contexto podemos colocar a prática da musculação como sendo uma atividade de caráter profilático em relação a aterosclerose.

Musculação e hipertensão arterial
Segundo Funchal (2004) a hipertensão arterial é uma doença crônica, não transmissível, de natureza multifatorial, assintomática (na grande maioria dos casos) e degenerativa. Diz-se que ela é de natureza multifatorial porque pode ser causada por vários fatores, entre os quais destacam-se o estilo de vida, a obesidade, fatores hereditários, fatores de stress e hábitos alimentares. Diz-se também que geralmente ela é assintomática porque a grande maioria das pessoas não apresentam sintomas que possam identificá-la, sendo portanto uma doença dita como "silenciosa". Por último, afirma-se também que ela é uma doença degenerativa em virtude do fato de provocar o comprometimento do coração, cérebro e rins. O trabalho de musculação com hipertensos deve ser cuidadosamente controlado, sendo que as principais recomendações expostas na literatura científica apontam para a não realização de exercícios com Manobra de Valsalva, nem tampouco de exercícios isométricos. A contra-indicação destes tipos de exercícios se deve aos efeitos de aumento súbito e imediato da pressão arterial por eles provocados, o que em pessoas com hipertensão podem gerar lesões e até mesmo rompimento de vasos sangüíneos. A musculação traz benefícios para este grupo quando é aplicada através de exercícios prolongados utilizando cargas leves. O principal benefício é a diminuição da pressão arterial em repouso, o que coloca a prática de exercícios contra resistência como uma aliada no tratamento da hipertensão arterial e, consequentemente, como um agente facilitador da boa qualidade de vida (Santarém, 2000 b).

Musculação e obesidade
Segundo Katch F., Katch V. e Mcardle (1998) a obesidade é definida como o acúmulo excessivo de gordura corporal. Já Coutinho (2001), baseado no índice de massa corporal (IMC), define a obesidade como sendo a situação na qual o indivíduo apresenta IMC superior a 30 kg/m2. Independente da definição, sabe-se que a obesidade talvez se constitua na maior ameaça à qualidade de vida do ser humano. Isto é verdadeiro na medida em que se constata que a obesidade está diretamente relacionada como causa de várias outras doenças, tais como a hipertensão arterial, diabetes mellitus, câncer, artrites, problemas cardiovasculares etc. Como já foi explicado anteriormente neste mesmo artigo, a musculação com fins hipertróficos contribui com o aumento da massa corporal metabolicamente ativa, aumentando o gasto energético basal, favorecendo ainda mais o emagrecimento. Já quando a musculação assume características aeróbias (alto número de repetições com cargas quantitativamente pequenas) proporciona a manutenção do baixo conteúdo gorduroso total do corpo assim como também a redução do ritmo de acúmulo das células adiposas (Fox, 2000). Portanto, percebemos que a musculação pode assumir aspectos tanto preventivos quanto terapêuticos no que se refere ao controle da obesidade.

Musculação e diabetes mellitus
Fox (2000) conceitua a diabetes como sendo um distúrbio relacionado com a incapacidade das membranas plasmáticas celulares captarem a glicose para dentro das células. De acordo com este mesmo autor, existem basicamente dois tipos de diabetes conhecidos: o tipo I, caracterizado pela ausência da produção de insulina pelo pâncreas; e o tipo II, caracterizado pelo aumento da resistência à ação da insulina nas células. Segundo Santarém (2000 b) a musculação atua no aspecto terapêutico da diabetes, pois a medida em que provoca um aumento da massa muscular, gera também um aumento na quantidade de tecido captador de glicose, que mesmo em repouso, auxilia no controle da glicemia. Os exercícios resistidos realizados com Manobra de Valsalva e os exercícios isométricos devem ser evitados, pois sabe-se que estes provocam elevações excessivas da pressão arterial, e devido a fragilidade vascular observada nos diabéticos, podem gerar lesões e rupturas de vasos sangüíneos. A musculação realizada com cargas leves, em um tempo total de treinamento que fique entre 20 e 60 minutos de duração por sessão, é a mais recomendada para a melhoria na qualidade de vida dos diabéticos (Fox, 2000).

Musculação e osteoporose
A osteoporose é uma doença de caráter degenerativo cujas principais características são a presença de uma massa óssea baixa e a deterioração na arquitetura do tecido ósseo, resultando em maior fragilidade dos ossos e, consequentemente, maior risco de deformações e fraturas (Katch F., Katch V. e Mcardle, 1998). A principal causa da osteoporose é a perda mineral óssea, ocasionada principalmente pelo processo de envelhecimento e pela inatividade física. Segundo as recomendações do Colégio Americano de Medicina Desportiva (ACSM), citadas por Katch F., Katch V. e Mcardle (1998), os exercícios selecionados para atuações profiláticas e terapêuticas contra a osteoporose devem ser aqueles que proporcionam o aprimoramento das valências físicas força e flexibilidade. É neste ponto que a prática da musculação interfere com maior intensidade, pois sabe-se que os exercícios contra resistência atuam positivamente na melhoria da capacidade contrátil dos músculos esqueléticos, assim como também geram efeitos positivos na elasticidade muscular em decorrência da proliferação de tecido conjuntivo ocasionada pela hipertrofia (Santarém, 2000 a). As melhorias em força e flexibilidade são acompanhadas pelo aumento da densidade óssea mineral, deixando o sistema esquelético mais forte e mais resistente a fraturas e deformações. Desta forma a musculação pode ser considerada o mais eficiente estímulo ambiental na prevenção e no tratamento da osteoporose, melhorando significativamente a qualidade de vida de todas as pessoas que são obrigadas a conviver com este tipo de problema.

Sulplemento

Mensagens : 10
Data de inscrição : 09/07/2011
Idade : 37
Localização : Tubarão

http://www.sulplemento.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum